Gavião-real

Harpia harpyja

Harpy Eagle

 

Ameaçada de extinção (SP)

 

Atualização 18/1/2009

 

 

 

 

Distribuição Geral

 

Populações

 

Mais encontradiço na Amazônia. Hoje é bastante raro em regiões pouco ermas, tendo se tornado bastante escasso no Brasil merídio-oriental. Em 1937 nidificou em Pontal (ES). Até 1958 foram vistos no RS. Por volta de 1960 ocorria ainda regularmente ao norte do rio Doce (MG). Em 1968 no Rio do Peixe (SC). Em 1973 um casal foi observado no Itatiaia (RJ).

 

Ecologia

 

Habita a alta mata primária, beiras de rios encachoeirados, proximidade de barreiros, onde espreitam animais que vêm lamber a terra ("Mato Grosso", PA). (Sick 1997)

Caçam a preguiça-real (Bradypus didactylus) (PA), mutuns, Crax alector (AP) e Crax fasciolata (PA, "Goiás"), coatás (Ateles sp), macacos-prego (Cebus sp) (PR, "Mato Grosso"), filhotes de veado, inclusive de veado-catingueiro (Mazama simplicornis) (MG), araras-azuis(Anodorhynchus hyacinthinus), seriemas e tatus ("Goiás"), cachorro-do-mato (RJ), bugio (Alouatta seniculus) (AC), cutia, cateto, ouriço (Coendou), cobras. Em áreas antropizadas pode ainda caçar cães domésticos, galinhas, bezerros e cabritos ("Goiás", ES, RS). (Sick 1997)

 

Ameaças

 

Pelo fato de atacarem criações e também pelo temor de atacarem crianças, são perseguidos nas fazendas (Sick 1997).

Sempre foi troféu cobiçado tanto por índios como por caçadores. Em aldeias indígenas (Xingu), eram mantidos em gaiolas desde filhotes para derem serem retiradas penas para ornamentos. (Sick 1997)

 

Medidas tomadas

 

Medidas propostas

 

Nível de ameaça

 

São Paulo (1998): Criticamente em Perigo.

 

Preservação ex-situ

 

A criação em cativeiro tem sido conseguida (Weinzetti-Pinheiro 2002).