Gavião-pomba

Amadonastur lacernulatus

White-necked Hawk

Ameaçada de extinção (SP)

 

Linhares, ES - Gustavo Magnago

 

Atualização 18/1/2009

 

Distribuição Geral

 

Endêmico do Brasil, na região litorânea, do RN a SC.

 

Populações

 

Já considerado "comum em algumas áreas" (Wied 1831-1833) ou "não realmente raro" (Burmeister 1856). Entretanto os registros são escassos e sugerem uma população pequena e fragmentada. Na reserva da CVRD a população foi estimada em menos de 30 pares (Whitney in litt 1987 apud Collar et al. 1992).

 

Ecologia

 

Habita florestas de baixa altitude, como na Ilha do Cardoso, fazendo ocasionais movimentos ao continente (Martuscelli in litt apud Collar et al. 1992). Frequenta os vales da Serra do Mar. O hábitat é o estrato médio de matas primárias (Stotz in litt apud Collar et al. 1992).

Alimenta-se de répteis, mamíferos, aves e insetos (Mitchell 1957) entre os quais Orthoptera e formigas, também grandes aranhas (Brown & Amadon 1968). Também moluscos e pequenas cobras capturados no chão (Sick 1985). Aproveitam-se de formigas-de-correição e bandos de quatis e macacos que servem de "batedores", espantando animais que caçam (Willis et al. 1983 apud Brandt 1998b). Foi visto capturando um grande gastrópodo noturno Megalobulimus paranaguensis, espantado por uma correição de formigas (Martuscelli 1991).

 

Ameaças

 

Desmatamento, perseguição por medo de predação de animais domésticos. É possível também o envenenamento por acúmulo de biocidas no topo da cadeia alimentar (Brandt 1998b). Em São Paulo foi constatado ser perseguido por ser predador de galinhas (Martuscelli in litt apud Collar 1992).

 

Medidas tomadas

 

Indicadas sete áreas-chave para sua preservação no Estado (Wege & Long 1995).

 

Medidas propostas

 

Estudos visando melhor conhecimento de sua ocorrência e biologia (Collar et al. 1992).

 

Nível de ameaça

 

São Paulo (1998): Criticamente em perigo.

Brasil (IBAMA): Vulnerável.

 

Preservação ex-situ