Mata de Santa Genebra - Campinas

Anteriormente conhecida como Fazenda de Santa Genebra, é um fragmento florestal com 251,78 ha , situada no município de Campinas (22º49’S, 47º06’W), uma das regiões de grande desenvolvimento e urbanização do Estado. Tem desta forma grande importância, por ser uma das últimas áreas remanescentes da paisagem natural da região, estando separada de outros fragmentos semelhantes por dezenas de quilômetros. A altitude é de aproximadamente 670 m . A vegetação é descrita como floresta tropical mesófila semi-decídua de planalto.

A mata sofre com seu isolamento, em consequência dos efeitos de borda e por não ter uma área mínima suficiente para a perpetuação de muitas espécies mais sensíveis. Apresenta elevado nível de perturbação, com raros trechos intactos. Estudos já foram feitos no sentido de verificar o impacto desta condição de isolamento sobre a avifauna (Aleixo & Vielliard 1996), valendo-se de estudos mais antigos feitos na área (Willis 1979). Por outro lado, já foi constatada a extinção de algumas dezenas de espécies na área (Silva et al. 1992, Aleixo & Vielliard 1993). A proximidade da Mata de Santa Genebra com o campus da Universidade de Campinas, permitiu que fosse utilizada para muitas pesquisas ornitológicas, tanto pelo corpo docente como discente, estando, assim, entre as áreas melhor estudadas do ponto de vista ornitológico no Estado.

Mais de 1/3 da avifauna da Mata é considerada invasora, não dependente do tipo de ambiente lá encontrado. A riqueza avifaunística da área, com menos de 150 espécies, é também significativamente inferior à de outras matas com características semelhantes do interior paulista, onde têm sido detectadas em torno de 280 espécies (Vielliard & Silva 1990).

Desafios Ornitológicos

Constatar a extinção de algumas espécies antigamente ocorrentes na área:

Crypturellus obsoletus

Harpagus diodon

Coccyzus euleri

Dromococcyx pavoninus

Tyto alba

Otus atricapillus

Glaucidium brasilianum

Streptoprocne zonaris

Cypseloides fumigatus

Anthracothorax nigricollis

Leucochloris albicollis

Hypoedaleus guttatus

Batara cinerea

Mackenziaena severa

Dysithamnus mentalis

Herpsilochmus rufimarginatus

Drymophila ferruginea

Synallaxis ruficapilla

Cranioleuca pallida

Automolus leucophthalmus

Lochmias nematura

Dendrocincla turdina

Sittasomus griseicapillus

Dendrocolaptes platyrostris

Lepidocolaptes fuscus

Campylorhamphus falcularius

Myiopagis caniceps

Capsiempis flaveola

Corythopis delalandi

Hemitriccus diops

Hemitriccus nidipendulus

Hemitriccus orbitatus

Todirostrum poliocephalum

Platyrinchus mystaceus

Pachyramphus validus

Tityra cayana

Antilophia galeata

Schiffornis virescens

Progne chalybea

Basileuterus culicivorus

Dendroica striata

Hemithraupis ruficapilla

Nemosia pileata

Pipraeidea melanonota

Euphonia violacea

Icterus cayanensis

Veja outras informações sobre a área

 

Existem horários definidos de visitação para a comunidade. No caso de visitas específicas para observação de aves, em horários e datas diferentes, um ofício deve ser encaminhado à Presidência ou ao Departamento Técnico-Científico da Fundação José Pedro de Oliveira, informando os objetivos e outros detalhes da visita.

 

Não há cobrança de taxas. Fotografias são autorizadas, desde que assinado um termo de compromisso pelo grupo comprometendo-se a entregar cópias de todo o material áudio-visual ali produzido, assim como cópias de quaisquer trabalhos científicos, matérias em revistas ou jornais, especializados ou não, ou qualquer outro tipo de publicação onde conste o material produzido na Mata de Santa Genebra.

 

Mata de Santa Genebra - Fundação José Pedro de Oliveira