Represa Guarapiranga

A represa Guarapiranga situa-se na região sul do município de São Paulo e é um reservatório destinado ao abastecimento de água da Grande São Paulo. É bastante utilizada para esportes náuticos, encontrando-se assim instalados em suas margens diversas marinas e clubes de campo. As marinas oferecem oportunidade de se alugar barcos para passeios pela represa, o que facilita a observação das aves do local.

Junto à orla da represa situam-se oito parques públicos. Há também clubes e áreas particulares com remanescentes de matas e ambientes naturais, propícios à observação de aves. O espelho d'água alberga uma grande quantidade de aves aquáticas. A represa é um dos sítios utilizados pelo CEO no Censo Neotropical de Aves Aquáticas.

Na represa Guarapiranga foram feitos registros de espécies raras no município de São Paulo, como o maçarico-grande-de-perna-amarela,  Tringa melanoleuca, o batuiruçu-de-axila-preta, Pluvialis squatarola, o maçarico-de-perna-amarela, Tringa flavipes, o trinta-réis-anão, Sternula superciliaris. Ali foi feito por Fabio Schunck o primeiro registro para o estado de São Paulo do mergulhão-de-orelha-amarela, Podiceps occipitalis.

 A avifauna do Solo Sagrado foi inventariada por Fernando Igor Godoy, para trabalho acadêmico.

A Ilha dos Eucaliptos é um local acessível, naturalmente, apenas de barco e sua avifauna foi estudada por Fabio Schunck.

Parque Ecológico Guarapiranga

Com com 263,8 ha tem uma grande diversidade de ambientes: lago, brejo, vegetação aquática, eucaliptal, mata, pasto e pasto sujo. Bom lugar para ver aves ribeirinhas e aquáticas como garças e frangos d'água ou frequentadoras de banhados, como o dó-ré-mi e a lavadeira-mascarada.

Um trabalho de levantamento da avifauna foi feito por Schunck et al.

Parque Guarapiranga

Com 152.605 m2, é constituído basicamente por um bosque. Tem uma avifauna constituída principalmente por aves aquáticas e ribeirinhas e por outro lado por aves de matas e que frequentam copas das árvores.

Parque da Barragem de Guarapiranga

 

Tem uma boa área de capinzais nativos e gramados, o que permite ver com facilidade o caminheiro-zumbidor, Anthus lutescens. Com certeza, em decorrência de um prolongado contado com os visitantes do parque, essas aves apresentam uma notável mansidão, permitindo uma aproximação surpreendente.

 

 

Parque Praia do Sol

 

Na margem do parque há uma área em que foram feitos plantios de árvores, recuperando a mata ciliar. É notável a diversidade de plantas rasteiras nos gramados, quebrando sua monotonia.

 

x

 

Parque Linear Castelo

 

 

Foto Dineila.

 

Com pequena área, mas com uma condição que facilita bastante a observação de aves, que são passarelas sobre a área alagada.

 

Veja fotos do Parque

 

 

Parque Linear São José

 

x

 

Parque Linear Nove de Julho

 

Em dois lugares do parque há passarelas de material plástico que permitem o acesso a área alagadas, facilitando a observação. Nesse parque tem sido visto o mergulhão-grande, Podicephorus major, reproduzindo-se. Certamente tem aí um território permanente. Um dos poucos locais no município de São Paulo onde pode ser visto. Também nesse parque foi recentemente visto o triste-pia, Dolichonyx oryzivorus, primeiro registro para o município de São Paulo (foto no Wikiaves).

 

 

 

Também situado na orla da Guarapiranga o Parque Ecológico da Várzea do rio Embu-Guaçu.

 

 

Veja as listas de aves do "Roteiro Guarapiranga"