ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS

Unidade visitada

Nome

Data da visita

Há regras estabelecidas para visitação?

Condições das vias de acesso

A Unidade tem regulamentos de visitação?

Condições gerais da permanência: recepção, hospedagem, etc

No caso de Unidade não oficial (RPPN, outras áreas particulares):

localização, coordenadas geográficas

extensão

mapa

hábitats existentes

Situação legal e administrativa

Órgão a que está subordinada, proprietário

Administração: equipe, deficiências notadas e relatadas

Situação fundiária

Populações residentes:

origens e etnias

número de famílias

número de pessoas

atividades econômicas (forma de subsistência) das populações residentes

Esquemas de proteção instalados na área

há regulamentos claramente estabelecidos?

há Plano de Manejo disponível?

guardas e vigias (contingente, treinamento)

prevenção e combate de incêndios

Recursos aplicados na administração da área (orçamento)

Impactos negativos observados na área

Turismo

há limite estabelecido para o número de visitantes

média mensal ou diária de visitantes nas diversas temporadas

há cobrança de taxa para visitantes?

tem Centro de Educação Ambiental ou similar?

Ocorre desmatamento na área? Dimensionar

Ocorre retirada ilícita de plantas? Dimensionar e especificar espécies

Ocorre captura ilícita de animais? Dimensionar e especificar espécies

Ocorre caça (de subsistência, esportiva)? Dimensionar e especificar espécies

Ocorre Incêndio natural e provocado?

Impactos causados pela população residente

Impactos causados por populações do entorno

Espécies exóticas introduzidas, animais e vegetais: descrever espécies e dimensionar

Atividades econômicas de exploração da biodiversidade

Condições dos ecossistemas

Situação de preservação dos ecossistemas naturais

Áreas restauradas (matas secundárias, reflorestamentos)

Atividades de preservação da área

Trabalhos em andamento da instituição administradora ou proprietário. Planos de manejo

ONGs e outras entidades que trabalham na preservação da área

Pessoas que desenvolvem atividades individuais de preservação

Projetos de proteção (preservação) aguardando aprovação

Disposição dos proprietários (no caso de áreas particulares)

Atividade científica

Trabalhos já desenvolvidos ou em desenvolvimento na área, envolvendo a biodiversidade e preservação

Levantamentos de fauna e aves em particular

Espécies ameaçadas

Presença e status das espécies ameaçadas na área

Conduta Consciente em Ambientes Naturais

Campanha para uma Conduta Consciente em Ambientes Naturais

Tem sido crescente o interesse de nossa sociedade pelo ecoturismo e outras atividades ligadas à natureza. Além disso, a visitação de unidades de conservação tem sido vista como a principal alternativa para a auto- sustentabilidade econômica destas áreas.

Estudos indicam que a grande maioria das agressões causadas por visitantes em áreas protegidas é decorrente do desconhecimento das atitudes e comportamentos especiais necessários durante a visita. Apenas uma minoria dessas agressões é causada intencionalmente ou configuram atos de vandalismo.

Experiências internacionais tem demonstrado que campanhas educativas são mais bem aceitas pela sociedade e são mais eficientes que medidas coercivas (como fechamento de trilhas e exigência de acompanhamento de guias) para a prevenção e controle de impactos ambientais causados por visitantes.

A Campanha de Conduta Consciente em Ambientes Naturais é baseada na divulgação de um conjunto de princípios de comportamento para potenciais visitantes de áreas protegidas. Esses princípios, conhecidos como de "mínimo impacto", são resultado de um consenso entre ambientalistas, pesquisadores e praticantes de atividades recreativas em ambientes naturais; e têm sido aplicados com sucesso em diversos países do mundo para a redução dos impactos decorrentes da visitação.

 Seja um parceiro na divulgação dos princípios de conduta consciente!

O Programa Parques do Brasil está em busca de parceiros interessados em participar na produção e divulgação do material impresso com os princípios da campanha.

Os parceiros oficiais da Campanha poderão contatar outras instituições interessadas em apoiar financeiramente a reprodução do material impresso e a divulgação dos princípios de Mínimo Impacto.

Todos os participantes oficiais da campanha poderão incluir suas logomarcas no folheto (existe um espaço previamente destinado a esse fim no verso do folheto), poderão inserir o logotipo da campanha em suas peças promocionais e veicular mensagens como: "eu participo oficialmente da Campanha de Conduta Consciente" ou similares.

Como sugestão de formas de divulgação dos princípios, podemos citar:


Para que a instituição seja reconhecida como parceira oficial da Campanha de Conduta Consciente, deverá firmar um termo de compromisso com o Programa Parques do Brasil.

Para maiores informações, entre em contato com a gerência do Programa Parques do Brasil:
Programa Parques do Brasil.
Esplanada dos Ministérios, Bloco B, 7° andar,
Tel: 61 317 1246
CEP: 70.068-900,
Brasília - DF
Site: http://www.mma.gov.br/port/sbf/dap/capa
E-mail: dap@mma.gov.br